Categories Blog

A arte real da responsabilidade social dos Síndicos.

O intenso êxodo rural havido a partir dos anos 1950 gerou grande adensamento populacional junto aos núcleos urbanos, à época, em fase de consolidação. Visando conferir maior segurança jurídica aos empreendedores do mercado imobiliário e também aos adquirentes de unidades na planta, o saudoso professor Caio Mário da Silva Pereira elaborou a lei de incorporações imobiliárias e condomínios, a qual fora promulgada no ano de 1964 sob o número 4591.

A entrada em vigor da Lei 4591/64, de fato, foi um fator determinante para a verticalização dos centros urbanos, ao passo que, atualmente, ao menos 30% da população brasileira reside em condomínios edifícios. Este número tende a aumentar significativamente, já que, objetivando o melhor aproveitamento do solo urbano, as cidades estão cada vez mais verticalizadas.

Além de estimular o desenvolvimento das cidades, a Lei 4591/64, em seu artigo 22, oficializou e regulamentou a figura do síndico, tendo, inclusive, disposto a respeito de suas responsabilidades básicas de gestão dos processos operacionais concernentes à guarda e à conservação das áreas comuns dos condomínios e seus respectivos serviços.

No entanto, o grande desafio daquele que ocupa o cargo de síndico e visa a geração de valor e a entrega de experiências positivas, relaciona-se imediatamente com a gestão de pessoas, uma vez que os condomínios não são a estrutura física das edificações que os compõem, mas sim o ente imaterial constituído pela massa de condôminos titulares das respectivas unidades autônomas.

O síndico, neste influxo, deve aperfeiçoar-se constantemente, tanto moralmente quanto tecnicamente, a fim de que seja um fator de transformação positiva do ambiente social no qual encontra-se inserido.

A função do síndico é das mais importantes para a transformação do meio humano, posto que a operação se dá no âmbito da menor célula existente na sociedade: os lares dos indivíduos.

Um mau líder inspira negativamente os seus liderados, de forma que um mau síndico, por intermédio de uma reação mimética natural, faz com que os condôminos e moradores dos empreendimentos por si administrados tornem-se, potencialmente, seres humanos piores em seus lares, rodas de amigos e ambientes profissionais, criando, desta forma, um nefasto ciclo vicioso da autotutela.

O contrário também é uma realidade, pois, pelo mesmo processo de espelhamento, um síndico valoroso moralmente, poderá inspirar seus condôminos a se tornarem seres humanos melhores, criando, ao revés, um ciclo virtuoso de prosperidade consciencial.

É por este motivo que, quanto mais verticalizadas as cidades, mais relevante será a função dos síndicos, sejam estes profissionais ou não, que possuem uma grande responsabilidade de transformarem o mundo um lugar melhor para viver.

A função de síndico é destinada àqueles idealistas que despertaram sinceramente para o seu propósito de expressar o ideal de justiça nos lares de outros seres humanos.

Matéria escrita pelo Dr. Gustavo Camacho

Categories Blog

O incrível poder de pensar e agir fora da caixinha

É verdade que nós síndicos estamos cada vez mais cheios de tarefas, e quanto
mais condomínios assumimos como síndico, os desafios só aumentam. Essa rotina louca
acaba nos roubando tempo de qualidade com a família e tempo para nós mesmo, fato é que
não sobra tempo nem pra ler, assistir ou participar de algum curso que possa me ajudar a
crescer de forma mais organizada, fazendo sobrar tempo para aquilo que realmente importa.

Mas está surgindo uma nova geração de síndicos que pensa um pouco diferente, e
que suas atitudes estão refletindo na qualidade de vida que tem ao mesmo tempo que são
eleitos síndicos em novos condomínios. Parece uma fórmula mágica, mas na verdade são
apenas processos que foram criados para o universo corporativo e que estão sendo adaptados
para o mercado condominial, quebrando paradigmas e velhos costumes.

Vamos analisar a seguinte situação, onde existem dois síndicos na gestão de dois
condomínios, um ao lado do outro, e o síndico do condomínio “A” tem o hábito de não
participar do grupo de whatsapp com a justificativa que tem muita conversa “vazia” e até
indiretas provocando a sua gestão, enquanto que o síndico do condomínio “B” tomou a
iniciativa dele mesmo criar o grupo de whatsapp com os moradores, colocando regras para
quem deseja participar, pequenos combinados informando o objetivo do grupo e as
penalidades para quem desrespeitar essas regras, e cada morador após concordar com os
termos pode clicar no link e entrar no grupo, assim se mostra mais acessível e consegue
acompanhar tudo que estão comentando sobre a rotina no condomínio, e ele até participa
dando algumas sugestões, e todos sem exceção respeitam ele com admiração por se mostrar
sempre acessível.

Você conseguiu perceber a diferença entre os comportamentos dos dois síndicos?
Aposto que você está fazendo uma autoanálise agora não é? Mas não se preocupe, esse
exemplo é para fazer você pensar “fora da caixinha” e perceber como existem sempre duas
formas para observar uma mesma situação e consequentemente duas formas de agir. E tem
um jeito de você desenvolver mais a sua criatividade para melhorar a gestão nos condomínios
onde você está síndico, e é bem simples, começar a ler livros, assistir vídeos e participar de
eventos que ensinam técnicas de gestão, de relacionamento, liderança, entre outras
habilidades importantes para você aplicar na sua gestão. É comum ver colegas síndicos
sempre consumindo apenas conteúdos exclusivos para o mercado condominial, mas para
pensar “fora da caixinha” você precisa se permitir a conhecer o que grandes empresas tem
feito para engajar mais seus colaboradores, reduzir custos, aumentar a produtividade, e você
encontra conteúdos sobre isso em livros como Sonho Grande, Como Convencer Alguém em
90 Segundos, O Jeito Disney de Encantar os Clientes, A Transição Para o Oceano Azul, entre
outros títulos voltados para o mundo empresarial. Afinal, o condomínio tem as mesmas
características de uma empresa, só não tem fins lucrativos.

Espero que tenha gostado e te convido para ter novas atitudes e assim vai obter
novos resultados neste ano de 2022.